INTERNACIONAIS

Com público recorde, Papa termina visita às Filipinas e se emociona com relato de garota

O Papa chorou ao ouvir o relato de duas crianças que foram tiradas da rua. Uma delas, Glyzelle
Palomar, de 12 anos, questionou a razão de Deus permitir diversos males aos pequenos.
O penúltimo dia da visita do papa Francisco à Ásia, no domingo, foi marcado por uma missa com recorde de público e  discursos contra pobreza. Sob chuva, seis milhões de pessoas acompanharam a celebração campal no gigantesco Parque Rizal em Manila, capital das Filipinas, terceiro maior país católico do mundo, onde o líder da Igreja fez um apelo para que os fiéis se tornem “missionários”. A maior concentração anterior de uma missa católica antes havia sido durante a visita de João Paulo II, em 1995, às Filipinas: cinco milhões de fiéis.

— Precisamos ver cada criança como um presente a ser saudado, acarinhado e protegido. E precisamos cuidar de nossos jovens, não permitindo que lhes seja roubada a esperança ou que sejam condenados a uma vida nas ruas — afirmou.

CHORO DEPOIS DE RELATO DE CRIANÇA

O discurso de Francisco foi ovacionado pela multidão distribuída por uma área de cerca de 60 hectares. A atenção dada às dificuldades locais foi aplaudida pela população de uma nação onde 25 milhões, ou um quarto do total, vivem na pobreza.

O Papa chorou ao ouvir o relato de duas crianças que foram tiradas da rua. Uma delas, Glyzelle Palomar, de 12 anos, questionou a razão de Deus permitir diversos males aos pequenos.

— Por que Deus permite que miséria, prostituição e drogas aconteçam até mesmo para crianças inocentes? E por que há tão poucos nos ajudando? — perguntou Glyzelle.

Emocionado, Francisco afirmou que não tinha resposta para a questão:

— Só quando somos capazes de chorar nos tornamos capazes de chegar perto de uma resposta à sua pergunta.

O depoimento dela trouxe também uma crítica indireta à organização de sua visita ao país. Numa fala improvisada, o Papa afirmou que os homens deveriam ouvir mais as ideias das mulheres e ser menos machistas. E se disse espantado ao perceber que, das quatro pessoas selecionadas para falar com ele, apenas uma, a garotinha, era uma mulher. Segundo Francisco, o discurso dela foi o melhor.

— Há apenas uma pequena representação feminina aqui, muito pequena. As mulheres têm muito a nos dizer na sociedade atual. Às vezes, nós, os homens, somos muito machistas. Não damos espaço às mulheres, mas elas são capazes de ver as coisas por um ângulo diferente do nosso, com um olhar diferente. As mulheres são capazes de fazer perguntas que nós, os homens, não conseguimos entender — disse, fazendo a multidão rir. — Quando o próximo papa vier a Manila, por favor, incluam mais mulheres no seu grupo.

O pontífice afirmou que, embora a proibição da Igreja Católica à ordenação de mulheres seja definitiva, ele quer promover mais freiras e outras mulheres a cargos importantes no Vaticano.

A visita de cinco dias ao continente incluiu paradas no Sri Lanka e na cidade filipina de Tacloban, destruída em 2013 por um tufão que matou cerca de oito mil pessoas. Depois de celebrar missa campal na localidade, Francisco rapidamente seguiu para Manila devido aos fortes ventos e chuvas previstos pela passagem da tempestade tropical Mekkhala.

(O GLOBO)


Sobre Luiz Vasconcelos

0 comentários :

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.